Expandir Player



Sua enciclopédia de rock progressivo

Participe tornando-se um seguidor

Receba atualizações via e-mail


Não temos links de downloads

Agamemnon, Symphonic Prog, Switzerlan

"Agamemnon" foi uma obscura banda de prog sinfônico formada na Suíça no final da década de setenta, mas existe alguma especulação de que a banda seja, na verdade, da Alemanha, e que, só o LP foi lançado na Suíça. De qualquer maneira, "Agamemnon" só lançou um único álbum em 1981, chamado como "Part I & II", por ser dividido em duas longas suítes, uma de cada lado do LP, tema de duas histórias, sobre um antigo e mitológico herói grego. Esse primeiro e único registro da década de oitenta, soa como se tivesse sido gravado uma década antes, pois sofre de má mixagem e carência na percussão. As letras são em Inglês e oferecem um bom vocalista que em alguns momentos pode trazer a memória o músico inglês "Cat stevens", também podemos reparar, uma borda sinfônica com os arranjos cósmicos do teclado, que lembram muito o "Pink Floyd" e semelhantes também aos álbuns lançados em anos anteriores, de bandas alemãs como "Eloy", "Pancake" ou "Jane", é uma reminiscência de "Minotaurus", "Epidauro" e em algumas partes "Kyrie Eleison". As composições e a estrutura harmônicas são muito básicas e muito repetitivas ao longo do tempo, com um grande momento por volta dos 10 minutos da parte 1, mas nada mais do que isso, o final termina abruptamente com um fade out que significa que não se tinha a intenção de acabar nesse ponto durante a gravação. Com a parte 2, felizmente começa a se ouvir com mais nitidez o baixista, seu desemprenho é muito musical e acima de toda a gravação. Os solos de teclado são ácidos e fantásticos em todo o álbum, um fascinante space/psych/prog. O solo de piano no 12º minuto da Parte 2 é surpreendentemente acima do desempenho geral do álbum. Enfim um disco mediano, mas significante para os estéreis anos oitenta. Recomendo.
"Agamemnon" foi uma obscura banda de prog sinfônico formada na Suíça no final da década de setenta, mas existe alguma especulação de que a banda seja, na verdade, da Alemanha, e que, só o LP foi lançado na Suíça. De qualquer maneira, "Agamemnon" só lançou um único álbum em 1981, chamado como "Part I & II", por ser dividido em duas longas suítes, uma de cada lado do LP, tema de duas histórias, sobre um antigo e mitológico herói grego. Esse primeiro e único registro da década de oitenta, soa como se tivesse sido gravado uma década antes, pois sofre de má mixagem e carência na percussão. As letras são em Inglês e oferecem um bom vocalista que em alguns momentos pode trazer a memória o músico inglês "Cat stevens", também podemos reparar, uma borda sinfônica com os arranjos cósmicos do teclado,  que lembram muito o "Pink Floyd" e semelhantes também aos álbuns lançados em anos anteriores, de bandas alemãs como "Eloy", "Pancake" ou "Jane", é uma reminiscência de "Minotaurus", "Epidauro" e em algumas partes "Kyrie Eleison". 

"Agamemnon" foi uma obscura banda de prog sinfônico formada na Suíça no final da década de setenta, mas existe alguma especulação de que a banda seja, na verdade, da Alemanha, e que, só o LP foi lançado na Suíça. De qualquer maneira, "Agamemnon" só lançou um único álbum em 1981, chamado como "Part I & II", por ser dividido em duas longas suítes, uma de cada lado do LP, tema de duas histórias, sobre um antigo e mitológico herói grego. Esse primeiro e único registro da década de oitenta, soa como se tivesse sido gravado uma década antes, pois sofre de má mixagem e carência na percussão. As letras são em Inglês e oferecem um bom vocalista que em alguns momentos pode trazer a memória o músico inglês "Cat stevens", também podemos reparar, uma borda sinfônica com os arranjos cósmicos do teclado, que lembram muito o "Pink Floyd" e semelhantes também aos álbuns lançados em anos anteriores, de bandas alemãs como "Eloy", "Pancake" ou "Jane", é uma reminiscência de "Minotaurus", "Epidauro" e em algumas partes "Kyrie Eleison". As composições e a estrutura harmônicas são muito básicas e muito repetitivas ao longo do tempo, com um grande momento por volta dos 10 minutos da parte 1, mas nada mais do que isso, o final termina abruptamente com um fade out que significa que não se tinha a intenção de acabar nesse ponto durante a gravação. Com a parte 2, felizmente começa a se ouvir com mais nitidez o baixista, seu desemprenho é muito musical e acima de toda a gravação. Os solos de teclado são ácidos e fantásticos em todo o álbum, um fascinante space/psych/prog. O solo de piano no 12º minuto da Parte 2 é surpreendentemente acima do desempenho geral do álbum. Enfim um disco mediano, mas significante para os estéreis anos oitenta. Recomendo.As composições e a estrutura harmônicas são muito básicas e muito repetitivas ao longo do tempo, com um grande momento por volta dos 10 minutos da parte 1, mas nada mais do que isso, o final termina abruptamente com um fade out que significa que não se tinha a intenção de acabar nesse ponto durante a gravação. Com a parte 2, felizmente começa a se ouvir com mais nitidez o baixista, seu desemprenho é muito musical e acima de toda a gravação. Os solos de teclado são ácidos e fantásticos em todo o álbum, um fascinante space/psych/prog. O solo de piano no 12º minuto da Parte 2 é surpreendentemente acima do desempenho geral do álbum. 
Enfim um disco mediano, mas significante para os estéreis anos oitenta. Recomendo.



Part I & II 1981
"Agamemnon" foi uma obscura banda de prog sinfônico formada na Suíça no final da década de setenta, mas existe alguma especulação de que a banda seja, na verdade, da Alemanha, e que, só o LP foi lançado na Suíça. De qualquer maneira, "Agamemnon" só lançou um único álbum em 1981, chamado como "Part I & II", por ser dividido em duas longas suítes, uma de cada lado do LP, tema de duas histórias, sobre um antigo e mitológico herói grego. Esse primeiro e único registro da década de oitenta, soa como se tivesse sido gravado uma década antes, pois sofre de má mixagem e carência na percussão. As letras são em Inglês e oferecem um bom vocalista que em alguns momentos pode trazer a memória o músico inglês "Cat stevens", também podemos reparar, uma borda sinfônica com os arranjos cósmicos do teclado, que lembram muito o "Pink Floyd" e semelhantes também aos álbuns lançados em anos anteriores, de bandas alemãs como "Eloy", "Pancake" ou "Jane", é uma reminiscência de "Minotaurus", "Epidauro" e em algumas partes "Kyrie Eleison". As composições e a estrutura harmônicas são muito básicas e muito repetitivas ao longo do tempo, com um grande momento por volta dos 10 minutos da parte 1, mas nada mais do que isso, o final termina abruptamente com um fade out que significa que não se tinha a intenção de acabar nesse ponto durante a gravação. Com a parte 2, felizmente começa a se ouvir com mais nitidez o baixista, seu desemprenho é muito musical e acima de toda a gravação. Os solos de teclado são ácidos e fantásticos em todo o álbum, um fascinante space/psych/prog. O solo de piano no 12º minuto da Parte 2 é surpreendentemente acima do desempenho geral do álbum. Enfim um disco mediano, mas significante para os estéreis anos oitenta. Recomendo.
FAIXAS:
1. Agamemnon's Youth - Agamemnon, King of Mykene (19:45)
2. Agamemnon at Troja - Agamemnon's Death (19:39)
Total Time: 39:25

MEMBROS:
- Erich Kuster / vocals, guitars, organ
- Werner Kuster / piano, keyboards, guitars, flute
- Walter Rothmund / bass, keyboards
- Urs Ritter / drums


Um comentário:

Seu comentário é sempre bem vindo !
Comente, opine, se expresse! esse espaço é seu!

Total de visualizações de página