Expandir Player



Sua enciclopédia de rock progressivo

Participe tornando-se um seguidor

Receba atualizações via e-mail


Não temos links de downloads

Azymuth, Funk/Soul, Jazz Rock/Fusion, Brazil

"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion 
até o samba e o funk.
O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando.
Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros.

"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo 
como se fosse um show.
O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" 
na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo.
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país.
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia 
a partir dos anos 90.


"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
"Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento.
Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão.

"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

"Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan".

"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
"José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. 
Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos.

Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
       
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.DISCOGRAFIA:
1972 - Som Ambiente 
1973 - O Fabuloso Fittipaldi 
1975 - Linha Do Horizonte 
1975 - Azimuth  
1977 - Águia Não Come Mosca 
1979 - Light As Feather 
1980 - Outubro 
1981 - Telecommunication 
1982 - Cascades 
1983 - Rapid Transit 
1984 - Flame 
1985 - Spectrum 
1985 - Live At Copocabana Palace 
1986 - Tightrope Walker 
1987 - Crazy Rhythm 
1988 - Jazz Carnival - Best Of Azymuth 
1989 - Tudo Bem 
1990 - Curumim 
1994 - The Beat Of Azymuth 
1995 - 21 Anos 
1996 - Carnival 
1998 - Woodland Warrior 
1999 - Pieces of Ipanema 
2001 - Before We Forget 
2002 - Partido Novo 
2004 - Brazilian Soul 
2006 - Pure (The Far Out Years 1995-2006) (2CD) 
2008 - Butterfly 
2011 - Aurora 

MAIS INFORMAÇÕES:

Som Ambiente 1972
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

FAIXAS:
01 - O Bofe (2:13)
02 - Here's that Rainy Day (3:19)
03 - Bossa Nova in Brodway (2:55)
04 - Close to You - People - Mr Lucky (5:32)
05 - Love Theme (Godfather) (2:03)
06 - Where is the Love (2:58)
07 - Aguas de Marco - Bala com Bala (4:03)
08 - Theme from Summer of 42 (4:02)
09 - By the Time I Get to Phoenix - The Shadow of Your Smile (4:24)
10 - Days of Wine and Rose - Satin Doll - April in Paris - Lill Darling (3:27)
11 - Live For Life Someday My Prince Will Come (2:58)
Total Time: 39:00

MEMBROS:
Alex Malheiros - Contrabaixo, violão, 
José Roberto Bertrami - Teclados, voz
Ivan Conti - Bateria, percussão




Azimuth 1975
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

FAIXAS:
01-Linha Do Horizonte (4:28)
02-Melo Dos Dois Bicudos (3:08)
03-Brazil (3:57)
04-Faca De Conta (4:31)
05-Caca A Raposa (5:11)
06-Estrada Dos Deuses (3:39)
07-Esperando A Minha Vez (2:59)
08-Montreal City (3:18)
09-Manha (3:45)
10-Periscopio (7:33)
Total Time: 42:47

MEMBROS:
Ariovaldo Contesini - congas, surdo, cuíca, tamborim, bongô, triguilhes, vocal
Ivan Conti (Mamão) - timpales, tímpano, triguilhes,rogers, ludwig drums
Alexandre Malheiros - guitarra, violão, triguilhes,vocal, ryckenbacker,vox,eco bass
José Roberto Bertrami - fender piano, piano acústico, arp. sintetizador 2600, moog sattelite, arpro sdoist, cavinet, arp strings (violinos eletrônicos), hammond órgão M. 102, bells, vocal
convidados
João Américo (Paraná) - violão (1), ritmos, vocal
Marcio Lott - vocal (1,7,9)




Águia Não Come Mosca 1977
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

FAIXAS:
01-Voo Sobre O Horizonte (3:40)
02-Aguia Nao Come Mosca (3:28)
03-Despertar (4:55)
04-Tarde (5:26)
05-Circo Marimbondo (2:26)
06-Tamborim, Cuica, Ganza, Barimbau (5:01)
07-A Presa (3:43)
08-A Caca (3:01)
09-Falcon Love Call (Armazem No.2) (3:51)
10-Aguia Negra X Dragao Negro (2:29)
Total Time: 38:14

MEMBROS:
Ivan Miguel (Mamao) (Drums, Percussion, Vocals)
Alexandre Malheiros (Guitar, Bass, Vocals)
Jose Roberto Bertrami (Piano, Vocals)
Nenem (Percussion)
Jorginho (Pandeiro)
Paulo Moura (Saxophone Soprano)
Angela, Marcio Lott, Parana (Vocals)




Light As Feather 1979
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.
FAIXAS:
01-Partido Alto (4:09)
02-Avenida Das Mangueiras (4:25)
03-Light As A Feather (6:50)
04-Fly Over The Horizon (Voo Sobre O Horizonte) (5:55)
05-Amazonia (0:48)
06-Jazz Carnival (9:32)
07-Young Embrace (Um Abraco Da Mocidade) (3:23)
08-Dona Olimpia (2:46)
09-This Exists (Existe Isto) (4:36)
Total Time: 42:25

MEMBROS:
Alex Malheiros (Bass, Vocals)
Ivan Conte ( Drums, Synthesizer)
Jose Roberto Bertrami (Keyboards, Vocals, Percussion)
Aleuda (Percussion)




Brazilian Soul 2004
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

FAIXAS:
01-Estatico (feat. Marcio Lott) (4:26)
02-Biaozinho Carioca (7:13)
03-Demais (feat. Emilio Santiago & Leo Gandleman) (4:18)
04-Sambafrica (5:11)
05-Retro Visor (3:14)
06-Depois De Carnival (feat. Fabiola) (6:13)
07-Sao Pedro (5:17)
08-O Lance (5:33)
09-Sem Destino (6:58)
10-Ed Lincoln (feat. Fabiola & Marcio Lott) (3:49)
11-Pra Ze (feat. Sabrina Malheiros & Roberto Menescal) (4:00)
12-Te Querendo (feat. Marcio Lott) (8:16)
13-Gubbio (feat. Ze Carlos) (5:35)
14-Roda Piao (6:36)
Total Time: 1:04:55

MEMBROS:
Alex Malheiros (Bass, Guitar, Vocals)
Ivan Conti (Drums, Guitar, Vocals, Percussion)
Jose Roberto Bertrami (Keyboards, Vocals)
Dom Chacal (Percussion)




Pure 2006
(The Far Out Years 1995-2006) 2CD
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

FAIXAS:
01-Brazymuth
02-Tudo Que Voce Podia Ser
03-Larajeiras
04-O Lance
05-Quem Com Quem
06-Carambola
07-Saudade Do Doutor
08-Antes Que Esqueca
09-Juntos Mais Uma Vez (Together One More Time)
10-Chameleon
11-Carnival
12-Xingo
13-Morning
14-Tempos Do Parana
CD2
01-Pieces Of Ipanema (Mark Pritchard Remix)
02-Amazon Adventure (Jazzanova Remix)
03-That's Today (London Elektricity Remix)
04-Faca De Conta (Roni Size Remix)
05-Laranjeiras (4Hero Remix)
06-Roda Piao (Spiritual South Remix)

MEMBROS:
Alex Malheiros (vocals, acoustic guitar, bass instrument)
Jose Roberto Bertrami (vocals, Fender Rhodes piano, Hammond b-3 organ, keyboards, mini-Moog synthesizer, vocoder)
Ivan Conti (vocals, drums, percussion)




Butterfly 2008
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.

FAIXAS:
01-Butterfly (4:49)
02-Os Cara La (4:53)
03-Meu Doce Amigo (3:41)
04-Caititu (2:23)
05-Avenida Rio Branco (5:21)
06-New Dawn (4:45)
07-Triagem (3:41)
08-Hole In One (4:03)
09-Morning (5:53)
10-Next Summer In Rio (5:02)
Total Time: 44:53

MEMBROS:
Alex Malheiros (vocals, acoustic guitar, bass instrument)
Jose Roberto Bertrami (vocals, Fender Rhodes piano, Hammond b-3 organ, keyboards, mini-Moog synthesizer, vocoder)
Ivan Conti (vocals, drums, percussion)
+
Paulinho Guitara, Alex Pilkington, Arthur Verocai (electric guitar)
Andre Meneghello, Ana Oliveira (violin)
Nayrah Pessanha (viola)
David Chew (cello)
Ze Carlos (flute, saxophone)
Tiago Martins, Robertinho Silva (percussion)




Aurora 2011
"Azymuth" é uma banda brasileira de diversas influências, formada em 1973 na cidade do Rio de Janeiro. Suas músicas variam desde o jazz fusion até o samba e o funk. O grupo nasceu junto com a cervejaria "Canecão", em três palcos diferentes, onde "Zé", "Alex" e "Mamão" atuavam com seus grupos, revezando as apresentações. "Mamão" com os "Youngsters", "Alex" com um trio de bossa-nova e "Zé Roberto" resolveu se juntar com os caras que ele admirava. O maestro arranjador "Zé Roberto Bertrami" não parava nunca; ora escrevendo, ora gravando, ora tocando. Contratado pela Philips Records (posteriormente Phonogram), os três gravavam e arranjavam as bases dos sucessos da época, entre eles estavam "Raul Seixas", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "MPB-4", "Marcos Valle", "Erlon Chaves", "Sérgio Sampaio", "Gonzaguinha" entre muitos outros. Em 1970, faziam apresentações ao vivo com o grupo "Seleção" onde pretendiam fazer bailes que acabavam com o público sentado, ouvindo e aplaudindo como se fosse um show. O grupo passou a se chamar "Azymuth" por sugestão de "Paulo Sérgio Valle" durante as gravações da trilha sonora do filme "O Fabuloso Fittipaldi". Anos depois, resolveram gravar um disco independente, influenciados por seu amigo "Tim Maia", e, quando o LP ficou pronto, a produção foi vendida a uma gravadora, novata na época, a Som Livre. A gravadora tratou de colocar a faixa "Linha do Horizonte" na novela "Cuca Legal", o único sucesso cantado pelo grupo. Em 1975 gravam "Melô da Cuíca", música integrante da trilha sonora da novela "Pecado Capital". O fusion Samba funk trouxe o convite para o grupo participar do "Festival de Jazz de Montreux" na Suíça (foram os primeiros brasileiros então convidados para o evento). Logo depois de serem chamados para arranjar uma faixa do disco da "Ella Fitzgerald", a cantora brasileira "Flora Purim", que havia recebido o prêmio de melhor cantora de jazz (Estados Unidos) daquele ano, contratou o grupo para uma turnê por todo o país. Durante a turnê, a tradicional gravadora de jazz americana Milestone Records dá início a uma série de álbuns lançados anualmente naquele país. Atualmente cultuados em Londres, onde o sucesso de "Jazz Carnival" na época do Disco, invadiu as pistas de dança das discotecas inglesas fazendo com que os DJ's mixassem e remixassem os hits tão admirados por eles. A gravadora Far Out é responsável pela discografia a partir dos anos 90. "Ivan Conti" (Bateria), nascido na Tijuca no Rio de Janeiro, carinhosamente apelidado de "Mamão", iniciou-se na música tocando guitarra, mas foram os solos de "Gene Kruppa" que o levaram a trocar de instrumento. Sua coordenação motora e seu completo domínio nos tambores é impressionante. Já apresentou-se com "Ray Brown", "Dizzy Gillespie", "Milt Jackson", "Elis Regina", "Gal Costa", "Erasmo", "Roberto Carlos", "Eumir Deodato", "Rita Lee". Participou da orquestra Internacional do maestro "Paul Mauriat" que o incluiu em duas temporadas em que fez shows no Japão. "Alex Malheiros" (Baixo), nascido em Niterói numa família de músicos, iniciou-se na música tocando bateria, mas seguindo os moldes do pai e tio, especializou-se no contra-baixo. Seu violão e sua guitarra podem ser apreciados em várias faixas de seus discos. Participou do conjunto do lendário "Ed Lincoln". Apresentou-se com "Antonio Adolfo", "Helvius Vilela", "A Turma da Pilantragem", "Ivan Lins" e "Djavan". "José Roberto Bertrami" (Tecladista), nasceu em Tatuí, interior de São Paulo e já aos 12 anos se apresentava como vibrafonista. Maestro e arranjador, "Zé Roberto" escrevia, gravava, tocava e improvisava como poucos. Fez arranjos para "Raul Seixas", "Belchior", "Tim Maia", "Erasmo Carlos", "Marcos Valle", "Sérgio Sampaio", "Maria Creuza", "Gonzaguinha" e muitos outros. Faleceu em julho de 2012 aos 66 anos. Confesso que a discografia da década de 80 e início de 90 não é tão agradável, os primeiros e os últimos discos são melhores, mesmo assim é um importantíssimo material da história do jazz no Brasil, recomendo.


FAIXAS:
01-Aurora (5:25)
02-In My Treehouse (7:13)
03-Ta Nessa Ainda Bicho (Are You Still In It Dude) (4:21)
04-Isso A Partido Alto (This Is Partido Alto) (6:06)
05-Carnival Legrand (4:17)
06-Diz No Pe (Say With Your Foot) (3:23)
07-Meu Mengo (My Mengo) (4:33)
08-Crazy Clock (4:40)
09-Que Bom (How Nice) (1:24)
10-E Mulher (Is Woman) (3:57)
11-In My Treehouse (Prelude 1) (1:44)
12-In My Treehouse (Prelude 2) (1:17)
13-Crazy Clock (LTJ Xperience Remix) (Bonus Track) (8:37)
Total Time: 57:01

MEMBROS:
Alex Malheiros - Contrabaixo, violão, 
José Roberto Bertrami - Teclados, voz
Ivan Conti - Bateria, percussão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo !
Comente, opine, se expresse! esse espaço é seu!

Total de visualizações de página