Expandir Player



Sua enciclopédia de rock progressivo

Participe tornando-se um seguidor

Receba atualizações via e-mail


Não temos links de downloads

Almendra, Jazz Rock/Fusion, Argentina

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito."Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, 
Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos".

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito."Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo. 

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad") b/w "El mundo entre las manos" foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um 
filme promocional foi feito. 
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
"Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival 
foi o primeiro grande evento de rock argentino.

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito."Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um 
ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos 
em relação a saúde, habitação e educação.

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa.
Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.DISCOGRAFIA:
Álbuns de estúdio
1969 - Almendra
1970 - Almendra II
1977 - "Muchacha ojos de papel"
1980 - Almendra en Obras I
1980 - Almendra en Obras II
1981 - El valle interior
Singles
1968 - "Tema de Pototo" / "El mundo entre las manos" 
1968 - "Hoy todo el hielo en la ciudad" / "Campos verdes" 
1969 - "Tema de Pototo" / "Final" 
1970 - "Muchacha (ojos de papel)" / "Ana no duerme" 
1970 - "Hermano perro" / "Mestizo" 

"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.




MAIS INFORMAÇÕES:




Almendra 1969
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.
FAIXAS:
01-Muchacha (Ojos De Papel) (03:07)
02-Color Humano (09:12)
03-Figuracion (03:31)
04-Ana No Duerme (02:44)
05-Fermin (03:18)
06-Plegaria Para Un Nino Dormido (04:03)
07-A Estos Hombres Tristes (05:59)
08-Que El Viento Borro Tus Manos (02:36)
09-Laura Va (02:48)
Total Time: 37:23

MEMBROS:
Luis Alberto Spinetta - Guitarra, Gaita, Vocal 
Emilio del Guercio - Baixo, Flauta, Vocal 
Edelmiro Molinari - Guitarra, Baixo, Teclado, Coro
Rodolfo Garcia - Bateria, percussão, piano, Coro




Almendra II 1970
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

FAIXAS:
(CD1) 38:24
01-Toma El Tren Hacia El Sur (03:46)
02-Jingle (01:29)
03-No Tengo Idea (02:49)
04-Camino Dificill (02:31)
05-Rutas Argentinas (02:40)
06-Vete De Mi Cuervo Negro (01:13)
07-Aire De Amor (03:00)
08-Mestizo (02:29)
09-Agnus Deii (14:28)
10-Para Ir (03:59)
(CD2) 42:08
01-Parvas (05:15)
02-Cometa Azul (04:27)
03-Florecen Los Nardos (06:51)
04-Carmen (03:07)
05-Obertura (03:05)
06-Amor De Aire (02:39)
07-Verde Llanto (01:37)
08-Leves Instrucciones (01:34)
09-Los Elefantes (06:24)
10-Un Pajaro Te Sostiene (02:27)
11-En Las Cupulas (04:42)
Total Time: 1:21:37

MEMBROS:
Luis Alberto Spinetta - Guitarra, Gaita, Vocal 
Emilio del Guercio - Baixo, Flauta, Vocal 
Edelmiro Molinari - Guitarra, Baixo, Teclado, Coro
Rodolfo Garcia - Bateria, percussão, piano, Coro




Almendra en Obras I&II (Live) 1980
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

FAIXAS:
01 - Ana No Duerme (03:04)
02 - Tema De Pototo (02:48)
03 - Plegaria Para Un Niäo Dormido (08:41)
04 - Figuracion (03:29)
05 - Cambiandome El Futuro (05:03)
06 - Vamos A Ajustar Las Cuentas Al Cielo (05:14)
07 - Mestizo (11:12)
08 - Jaguar Herido (08:49)
09 - Color Humano (07:09)
10 - Hilando Fino (06:04)
11 - Muchacha (Ojos De Papel) (03:25)
12 - Hermano Perro (04:41)
13 - Rutas Argentinas (02:56)
Total Time: 1:09:56

MEMBROS:
Luis Alberto Spinetta - Guitarra, Gaita, Vocal 
Emilio del Guercio - Baixo, Flauta, Vocal 
Edelmiro Molinari - Guitarra, Baixo, Teclado, Coro
Rodolfo Garcia - Bateria, percussão, piano, Coro




El valle interior 1981
"Almendra" foi uma importantíssima banda argentina formada em 1967 no bairro portenho Belgrano, Buenos Aires. Formada pelo guitarrista e letrista "Luis Alberto Spinetta", lançou entre 1968 e 1971 alguns singles e dois álbuns, Almendra (1969) e Almendra II (1970), ambos cultuadíssimos, e que devem ser ouvidos com muita atenção, principalmente pela inovação de composição das canções com letras em espanhol que revolucionou o rock argentino pelo restante do século 20 e mudou o modo como a música rock local foi percebida pelos críticos e audiências. Apesar de todos os membros terem formado a espinha dorsal do rock argentino na década de 1970, passaram dificuldades na década de 1960. Com 17 anos, "Spinetta" formou, ao lado de seus colegas do Instituto San Román, "Edelmiro Molinari" (guitarra, voz), "Emilio del Guercio" (baixo, voz) e "Rodolfo García" (bateria), o "Almendra", uma das principais bandas do final dos anos 60 na Argentina, ao lado do grupo "Los Gatos". "Almendra" foi formado em 1967 após o desmembramento de três grupos escolares adolescentes, "Los Sbirros", "Los Mods" e "Los Larkins". Os ensaios iniciais foram realizados na casa do guitarrista "Spinetta" em Belgrano (um bairro de classe média alta de Buenos Aires). Em meados de 1968, conheceram o produtor "Ricardo Kleiman", onde assinaram um contrato para um único álbum. "Kleiman" era o dono de uma importante loja de roupas chamada "-Modart-" e executou um programa de rádio chamado "-Modart en la Noche-" que foi ao ar as últimas edições da batida rock e música do mundo.  Em 20 de setembro de 1968, o single "Tema de Pototo" (a.k.a. "Para saber cómo es la soledad" b/w "El mundo entre las manos") foi lançado. "Tema de Pototo" é uma bela balada sobre um amigo que julgava os mortos. Ambos os lados apresentam arranjos orquestrados por "Rodolfo Alchourrón", um pedido do produtor. nesse mesmo ano, sai outro single chamado "Hoy todo el hielo en la ciudad" com um grande trabalho de guitarra fuzz por "Edelmiro", chega às lojas. Apresenta "Campos Verdes" a partir do qual um filme promocional foi feito.  "Almendra" tocou durante o verão, no início de 1969, em Mar del Plata, uma cidade resort 400 quilômetros ao sul de Buenos Aires. Sua estréia em Buenos Aires foi em 24 de março, no Instituto DiTella, o centro cultural de vanguarda dos anos 60. "Almendra" passou o resto do ano se apresentando em locais diferentes, até 21 de setembro, primeiro dia da primavera e dia do estudante na Argentina, quando eles tocaram no Festival Pinap. Pinap era o nome de uma revista, e este Festival foi o primeiro grande evento de rock argentino. "Spinetta" desmanchou o "Almendra" e foi para a Europa, em busca de maturidade e de um ambiente musical propício para inovações e aprendizado. Nessa época, crescia a opressão ditatorial na Argentina, e "Spinetta" viu tudo acontecer de longe. Porém, voltou para Buenos Aires em 1971, e com novas visões musicais, criou o "Pescado Rabioso", em outubro do mesmo ano. Um excelente grupo de hard rock, com letras pregando contra a violência que crescia no país e também contra os problemas dos hermanos em relação a saúde, habitação e educação. A banda retornou a atividade em 1977 lançando o álbum "Muchacha ojos de papel", não vendeu como esperado, mas mesmo assim aguentou firme até o começo da década de 1980 lançando mais 3 álbuns, "Almendra en Obras I" (1980), "Almendra en Obras II" (1980) e "El valle interior" (1981), o guitarrista "Spinetta" ainda está na ativa. Importantíssimo e raríssimo material argentino, recomendo muito.

FAIXAS:
01-Las Cosas para hacer (06:38)
02-Amidama (03:26)
03-Miguelito mi espiritu ha partido a tiempo (08:41)
04-Espejada (02:03)
05-Cielo Fuerte Amor guarani (04:40)
06-El fantasma de la buena suerte (06:47)
07-Buen dia dia de sol (04:40)
Total Time: 37:31

MEMBROS:
Luis Alberto Spinetta - Guitarra, Gaita, Vocal 
Emilio del Guercio - Baixo, Flauta, Vocal 
Edelmiro Molinari - Guitarra, Baixo, Teclado, Coro
Rodolfo Garcia - Bateria, percussão, piano, Coro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo !
Comente, opine, se expresse! esse espaço é seu!

Total de visualizações de página